A primeira confraria de vinhos do Brasil
fundada em 1980


O VINHO DO MÊS: MASSAYA GOLD RESERVE 2008

massaya

Líbano – 
A atividade vitivinícola no Líbano ocupa aproximadamente 500 ha de vinhedo plantado com produção perto de 1.500.000 litros de vinho produzido de boa qualidade, quase exclusivamente por duas grandes empresas, Château Kefraya e Château Ksara. No entanto, o produtor mais conhecido no mundo do vinho é o Château Musar, pertencente à família Hochar. Esse magnífico vinho produzido com Cabernet Sauvignon e Cinsault constitui um prêmio de determinação e coragem a essa família que manteve a produção mesmo durante os longos anos de guerra civil. Mais recentemente a região ganhou a participação da família Ghosn através dos irmãos Sami e Ramzi que veio enriquecer o acervo libanês através da vinícola Massaya. A produção do Líbano gira em torno de 15 milhões de litros e o seu consumo alcança 3,5 litros por pessoa por ano segundo o Wine Institute (2009). Além das vinícolas acima citadas figuram no país com destaque, o Château Ka, Château St. Thomas, Coteaux de Liban, entre as mais conhecidas. 

Vale do Bekaa – 
Situada em Tanail a região é dotada de especiais condições para a produção vitivinícola, estendendo seus vinhedos a 1000 metros acima do nível do mar e protegida pelo Monte Líbano, da influência mediterrânea, e Cordilheira Antilíbano dos rigores saarianos. Essas condições permitem gozar de um clima excelente com verões quentes e invernos chuvosos propiciando um índice pluviométrico de 500 mm a uma temperatura média de 25ºC. O solo dessa região é predominantemente argilo-calcário. Esses vinhedos dão continuidade a uma história que remonta à época em que fenícios e romanos já praticavam a atividade na região tendo estes últimos, inclusive construído um templo em homenagem a Baco cerca de 5.000 anos atrás na localidade de Baalbeck bem próxima de Tanail.

Vinícola Massaya – 
A família Ghosn tinha como atividade a produção de arak bebida destilada tradicional do oriente desde 1970, embora os irmãos nutrissem já à época a intenção de trabalhar o vinho. Esse sonho, no entanto, foi interrompido em 1975 por conta de feroz guerra civil que os obrigou a abandonar o país com a esperança da volta, que somente veio a ocorrer dezessete anos depois. Iniciava-se assim a atividade vinícola sem abandonar a produção do destilado. Em 1998 a empresa promove uma “joint venture” com consagrados vinhateiros franceses turbinando consideravelmente a qualidade do vinho ali produzido. Foram eles Frédéric e Daniel Brunier da Domaine Vieux Télégraphe (Châteauneuf-du-Pape), do Rhône, e Dominique Hebrard do Château Bellefort-Belcier de Saint-Emilion de Bordeaux. Esses produtores franceses ficaram fascinados com o “terroir” e, sobretudo a história e tradição da região sonhando reviver as sensações dos sabores e aromas que certamente sentiam as caravanas que cruzavam o vale e com as embarcações dos fenícios e romanos que cortavam o Mediterrâneo fazendo nascerem localidades históricas como Cartago (Carthage), Massilia (Marseille), Sidon (Tyr), etc. Buscavam assim construir um vinho encarnando o “terroir” do Líbano.
A vinícola produz os vinhos oriundos de vinhedos ocupando cerca de 50 hectares dos quais 40 hectares cultivados com cepas tintas segundo uma densidade de 3.300 plantas por hectare e, rendendo 45 hectolitros por hectare. A idade do vinhedo é de 18 anos, composto por Cabernet Sauvignon, Cinsault, Merlot, Grenache Noir, Mourvèdre, Syrah e Tempranillo. Entre as brancas figuram Chardonnay, Sauvignon Blanc, Clairette, Obeidi. A colheita que é manual ocorre entre setembro e outubro.
A lista de vinhos produzidos envolve exemplares como Massaya Classic (Cabernet Sauvignon e Syrah), Silver Selection (Cinsault, Grenache, Cabernet Sauvignon e Mourvèdre), Gold Reserve motivo principal deste artigo (Cabernet Sauvignon, Mourvèdre e Syrah), entre os principais, na verdade um branco, um rose e três tintos. Sendo a produção total em torno de 300.000 garrafas por ano destinam 80% para exportação.

Massaya Gold Reserve 2008 – 
Vinho vinificado em tanques de aço seguido de repouso para amadurecimento em barricas de carvalho francesas por dois anos. Não sofre qualquer tipo de filtração, absorvendo características estruturais de concentração de taninos que o qualificam como vinho de guarda.

ANÁLISE VISUAL – Cor rubi profunda muito escura anunciando complexidade.
ANÁLISE OLFATIVA – Aromas intensos com boa carga de especiaria deixando espaços intermitentes para frutas maduras transitando entre vermelhas e negras, além de notas de café, tabaco e alcaçuz com delicada madeira ao fundo.
ANÁLISE GUSTATIVA – Encorpado para suportar o tempo, exibindo untuosidade balsâmica, com presença marcante de taninos não agressivos. A acidez é vibrante e compatível com a massa tânica conferindo equilíbrio contribuindo para uma textura cremosa e agradável, terminando o gole com boa persistência e leve doçura de fruta em calda.

AVALIAÇÃO: 90/100
PREÇO: R$ 155,00 – IMPORTDORA AU VIN IMPORT
SADDI CENTER www.saddicenter.com.br – R.Guarará, 76 – 3885-7755
ARMAZEM DO BARÃO – Rua Edson, 938 – Campo Belo – 5041-7972

Saúde
Daniel Pinto – www.danipin@uol.com.br

 

PopUpNewsletterSBAVSP

Cadastre o seu e-mail para receber as notícias da SBAV-SP.

Por favor, assinale: